Seis estratégias para atingir seu objetivo como líder de faturamento

Confira abaixo as dicas de nossa instrutora Dayana Salles, que te levará a alcançar êxito na Liderança de sua equipe de faturamento:

1.      Treinamento: A falta de treinamento dos membros de sua equipe é como um “tiro no pé”. Um dos maiores problemas que encontramos nas equipes em nossos projetos de consultoria, são profissionais que sequer sabem o que está fazendo. No caso dos hospitais, clínicas e laboratórios, a ausência de conhecimento operacional prejudica muito, pois gera desperdício de tempo e de recursos. Um colaborador que fatura um procedimento, por exemplo, precisa saber o que pode e o que não pode ser cobrado, e por quê? Líderes precisam desenvolver a capacidade de desenvolver seus colaboradores para que eles tenham uma melhor percepção da empresa e do mercado no qual está inserido. Ou seja, a gestão de pessoas está na liderança.

2.      Fluxograma: Crie um fluxograma. O planejamento e a organização do processo de trabalho, garante o cumprimento das diretrizes estabelecidas pela empresa. Utilize de ferramentas de gestão para analisar o desenvolvimento das atividades, no qual revelará problemas no funcionamento do setor, e assim é possível articular ações e buscar soluções e melhores abordagens.

3.      Metas: Detectadas todas as falhas, estipule uma programação para solução de cada uma delas, coloque prazo, acompanhe e tenha como meta a evolução e excelência no envio sem perdas invisíveis ou glosas indevidas.

4.      Prontuário eletrônico: O uso do prontuário eletrônico permite reduzir os processos manuais e evita registros ou interpretações erradas. Além disso, padroniza os dados e os processos, facilitando a conferência de prescrição de procedimentos e de medicamentos, agilizando o processo de autorizações de exames, reduzindo de maneira muito significativa as glosas.

Leia também: Nossa força de trabalho é a menos produtiva do mundo

5.      Gerenciamento: Muitos líderes não estão atentos à importância de identificar e analisar as estatísticas das glosas. Isso acontece por pura falta de treinamento e da não utilização das ferramentas adequadas. A boa gestão e a colaboração da equipe é imprescindível. Utilizando de boa ferramenta é possível delegar, fiscalizar e cobrar com mais segurança, sabendo orientar, solucionar e evitar problemas.

6.      Trabalho em equipe: Muitas conversas entre líderes e liderados são infrutíferas e servem apenas para desabafo. No melhor cenário, o liderado aproveita para desabafar e “delegar para cima”, ou seja, devolve ao chefe a responsabilidade delegada, quando este próprio não assume tal atividade por acreditar que terá melhor desempenho. Umas das minhas sugestões é que os gestores aproveitem as situações de erros e falhas, os trabalhos realizados abaixo da expectativa, as dúvidas do subordinado ou os novos desafios para gerar novos aprendizados em termos práticos. Em cada uma dessas situações, o líder pode definir metas de performance ou de desenvolvimento de competências.

Para manterem-se no mercado competitivo, é necessário a associação de baixo custo com a excelência da qualidade. Frente a isso, torna-se fundamental a busca contínua de melhoria dos processos operacionais, desenvolvimento de pessoas e diminuição de despesas e glosas.

Todo problema gera uma oportunidade

Falta muito pouco para encerramos as inscrições com desconto… ⏳⠀

Essa é uma oportunidade única, dezenas de pessoas já passaram pelos nossos cursos, construíram uma nova carreira, se aperfeiçoaram e estabeleceram novos resultados para sua carreira. ⠀


Agora, chegou a sua hora de aproveitar essa grande oportunidade!🔥⠀



E o melhor de tudo isso… Com um valor único de inscrição, você pode participar do curso, receber mentoria para ajudá-lo com suas demandas profissionais e participar gratuitamente de qualquer curso presencial ou ao vivo de nossa grade, depois que a pandemia passar (Nunca mais irá se repetir essa condição).⠀

Siga-nos:
https://www.facebook.com/groups/faturamentodecontasmedicas/
https://www.facebook.com/gestaodepessoasemsaude/

www.danieladeoliveira.com.br

Instagram – @oliveiraconsult

Próximos cursos:
– 2 em 1 – Recepcionista para Área de Saúde + Faturamento de Contas Médicas para Iniciantes
https://pay.hotmart.com/T31275072J?checkoutMode=10

– Gestão e Recursos de Glosas
https://pay.hotmart.com/G33757464A?checkoutMode=10

– Qualidade na Recepção em Organizações de Saúde
https://pay.hotmart.com/J7395963V?checkoutMode=10

– Liderança e Gestão de Pessoas em Organizações de Saúde
https://pay.hotmart.com/C16148803T?checkoutMode=10

Alguma dúvida de como posso ajudar você e a sua equipe?
Entre em contato no WhatsApp 21 97630-3226
Profa. Daniela de Oliveira

PROATIVIDADE, É O SONHO DE QUALQUER CHEFE COMPETENTE

O que há com os profissionais que não são proativos? Será que não gostam do que fazem? São infelizes? Ou pensam que o trabalho é uma obrigação para pagar as contas no final do mês?

Proatividade significa muita agilidade em apresentar soluções diante de problemas e isso se traduz num comportamento não reativo na busca da definição do problema e da melhor alternativa. Proatividade significa agir rápido com inteligência; identificar a origem do problema e como se diz popularmente: “cortar o mal pela raiz.”
Continuar lendo

O líder que "faz acontecer"!

Cada vez com mais frequência, as empresas vêm decretando o fim das divisórias em seus escritórios, com o objetivo de integrar os funcionários num ambiente menos formal e mais transparente. O estímulo ao trabalho em conjunto, contudo, deve obedecer a alguns critérios. O primeiro passo consiste em estabelecer metas e objetivos claros a serem cumpridos pelo grupo ao longo de determinado período. O líder tem a missão de inspirar, incentivar, cobrar e viabilizar as boas ideias.
Continuar lendo

Um cliente nervoso costuma ser mais difícil de aceitar argumentos alheios

Na área de prestação de serviços médicos, é importante que a equipe esteja preparada para atender clientes dos mais diferentes perfis. Ser profissional de atendimento não é estar pronto para atender apenas os clientes “bonzinhos”, tranquilos e educados, mas também os nervosos e incompreensivos. Imagine a seguinte situação: um cliente agendou um horário e chega para sua consulta. A última vez em que esteve na clínica foi há três meses. A funcionária da recepção informa o valor a ser pago na consulta e neste momento o cliente diz: “Não vou pagar uma nova consulta, uma vez que continuo com o mesmo problema de três meses atrás. Além disso, o doutor me disse que, caso eu tivesse sintomas, deveria retornar a clínica”.
Continuar lendo